Lisboa,

sábado, setembro 29, 2007

no bar da minha praia


No bar da minha praia
subi o céu da tua mão
nos olhos duma gaivota
fui pôr um som na canção

De lá colori a luz
com sabores desligados
dancei ritmos diabruras
com odores embriagados

Que bom que é
ver-te correr
soltares areia
sorrires a valer

Olhaste o vento
soltaste o cabelo
fixaste do céu
o barco rabelo

Se acaso quiseres
um dia mudar
e sentires que eu mesmo
te posso ajudar
acende a chama
que vem de ti
clama o meu nome
que te deixo aqui

e faz o teu grito ecoar no vento
deixa o amor viver um momento
na roda da vida que eu nunca vi
estarei eu e tu e o Sol que sorri


(Amaral Nascimento)

sexta-feira, setembro 28, 2007

reflexão


Chopra diz que o mundo existe dentro de nós e não fora. A capacidade de escolha implica que não há escolhas boas e más. Há simplesmente escolhas que conduzem a determinados resultados. Os resultados são ou não aceites, dependendo do espírito de verdade que lhes vai servir de matriz.
Se a nossa vida nos "serviu" durante anos e assumimos compromissos e se não "quisemos" quebrar as cadeias que nos apertavam - então paremos e façamos uma reflexão.

Algo mudou?
A descoberta que, repentinamente, sentimos dentro de nós, um amor que nos faz despertar, a decisão que tomamos - são tudo realidades novas que a nossa mente constrói, com os sentimentos duma alma que só conhece Amor. Não temos que ter vergonha, ou medo, ou falsos preconceitos. O amor nunca pode ser sinónimo de dor e mágoa.
O mais fácil que o Ego assume pode ser a culpabilização, a passividade, o desnorte.
Mas há um tempo para tudo, nesta vida.
Há um tempo para Ti e para Mim. Só que esse tempo chegará quando sossegarmos sentimentos, e olharmos em frente como se tudo fosse uma ilusão. Daquelas ilusões que, de tão bem construídas, são impossíveis de entender.
Deixemos de nos culpar ou culpar a Vida!
E façamos a escolha! Com todas as suas consequências!
Vivamos a ilusão com toda a alegria, entreguemo-nos a ela, sabendo que SOMOS MAIS do que essa ilusão.

Será isto possível?
Ainda que difícil de aceitar, muito mais difícil praticá-lo, sabemos, contudo, que PODEMOS consegui-lo. Muita gente o faz! E acaba por encontrar, na estrada da vida, prazeres novos que ignorava e levam mais côr à sua caminhada...


quinta-feira, setembro 27, 2007

ser aberto


O homem não é um ser acabado, mas um ser "por fazer-se", por obra da sua liberdade.
Uma pedra, uma árvore são seres plenamente realizados dentro das fronteiras ou limites da sua essência. Quero dizer que não podem dar mais do que dão, não podem ser mais perfeitos do que são.
O mesmo se diga dum gato, dum cão. São seres fechados, acabados, "perfeitos" dentro das suas possibilidades.
O homem, não. O homem é, originariamente, um "poder ser". É o único ser da criação que pode sentir-se irrealizado, insatisfeito, frustrado.
E por isso, entre os seres criados, é o único que tem capacidade para superar as barreiras das suas limitações.
Por outro lado, é também o único ser capaz de autotransparência, de transcendência e de liberdade.
Numa palavra, é um ser aberto, capaz de um encontro pessoal com Deus, de um diálogo com o seu criador.

(Ignacio Larrañaga in Mostra-me o teu rosto)

quarta-feira, setembro 26, 2007

o medo


Se tudo o que eu desejasse neste mundo fosse aquilo que a minha alma deseja, a minha vida seria uma alegria eterna, uma harmonia perfeita, uma felicidade plena.
Se eu agisse apenas a partir daquilo que o espírito me diz e o coração me aconselha, tudo seria um paraíso à minha volta.

Mas, infelizmente, as coisas não acontecem assim. Sou constituído por um corpo, por uma mente e por um espírito. E quando é preciso tomar decisões, fazer escolhas, três hipóteses se abrem para que a realidade aconteça. Ou o corpo quer uma coisa, ou é a mente que opta por outra ou é o espírito que aconselha uma terceira.
Nem sempre elas coincidem.

E quando isto acontece, os resultados acabam por ser confusos, desestabilizadores e conflituosos, por vezes.
Deus não interfere nas nossas escolhas, porque nos deu o livre arbítrio e o dom de criarmos as nossas próprias experiências.

Quando, um dia, encontrarmos a maneira harmónica de escolhermos, em consciência, através da mente e do espírito, os conflitos sociais e o conceito que temos da vida mudará imediatamente.
A alma, que é a nossa essência, não conhece o medo. A mente, que desenvolve o nosso pensamento diário, está condicionada por esse medo, que nos foi incutido geração atrás de geração.
O corpo apenas quer colher a experiência material daquilo que concebemos.

O medo faz parte da dualidade primária. Amor ou medo. Medo ou amor.
Ainda que inconscientemente, o ser humano vive aprisionado pelo medo: medo do insucesso, medo de não ter o suficiente, medo de não ser amado, medo de ser mal compreendido, mal aceite, pela sociedade onde vive, medo de morrer.
Quando conseguirmos a certeza de que o medo é uma ilusão completa, criada pela nossa mente, ele deixará de influenciar as nossas escolhas e as nossas decisões.

Diz-se que os bebés nascem apenas com dois medos: o medo de cair e o medo de ruídos fortes.
Todos os outros medos são adquiridos ao longo da vida, inventados e metidos nas suas cabeças.


terça-feira, setembro 25, 2007

se eu beijasse a tua boca



Se eu beijasse a tua boca
se eu sugasse o teu sorriso
se eu manchasse a tua roupa
como a mandar-te um aviso

Se eu tocasse o teu sentir
se eu bebesse o teu olhar
se eu tangesse o teu ouvir
como se ouvisse chamar

Eu não seria sem ti
nem tu serias sem mim
seríamos um só amante
cantando notas aos céus
colhendo estrelas sem fim
num paraíso distante
lá nos confins dum instante
onde o não e onde o sim
são um só o tal amante
são um só dentro de mim


(Amaral Nascimento)

segunda-feira, setembro 24, 2007

perfeição




O corpo, a mente, e o espírito suportam todos os dados do universo.
Na verdade, eles constituem todos os dados do universo comprimidos dentro de uma localização.
Esta indicação tem implicações profundas. Significa que não há nada que tenhamos que saber, nada que tenhamos que fazer e nada que tenhamos que ser - excepto exactamente aquilo que estamos sabendo, fazendo e sendo Exactamente Agora.
Significa que somos Perfeitos justamente da maneira como estamos a ser neste instante.

A ideia de que fomos de algum modo imperfeitos foi uma ficção, um conceito da nossa história cultural, uma determinação das nossas religiões, que nos fizeram acreditar que somos a criação imperfeita de um Criador Perfeito.
Esta ideia - o pensamento da nossa própria perfeição - é teologicamente revolucionário.
Elimina a necessidade de fazermos seja o que for para atingirmos o céu, para nos prepararmos para a reunião com Deus, ou elevar-nos a um lugar de consciência mais elevado onde o Nirvana e o Bliss podem ser experimentados.

Esta ideia - o pensamento da nossa própria Perfeição - tem início na sua implicação e forma a base e a fundação para um novo tipo de espiritualidade - uma espiritualidade nascida não no pecado mas na celebração, não na redenção mas na recriação, não na necessidade para a salvação, mas no convite para a plena expressão e a experiência de Quem Nós Somos Realmente.

A vida tal como a temos vivido sobre a terra tem sido, sem dúvida, um exemplo de identidade errada.
Temos negado os nossos Eus Verdadeiros a favor duma história sobre quem nós somos que deixa de fora todos os dados cruciais e substitui-os por uma ideia totalmente ficcionada do nosso relacionamento com Tudo O Que É.

(Newsletter CWG)

sábado, setembro 22, 2007

sorrindo




Só vi céu
e só vi mar
quando te sonhei
no meu sono

Vi-te
com olhos fechados
fiz do teu peito
o meu colo
sonhando
sempre acordado

Contei-te um conto
dormindo
em nuvem
branca de neve
ali à beira
da casa
dum lago
dum mar infindo
abri os olhos
sem ver
vi uma luz a correr
vi-te no meio
... sorrindo



(Amaral Nascimento)
(imagem: Sleeping_Woman by Pablo Picasso)

quinta-feira, setembro 20, 2007

onde estás, oh Deus

Quantas vezes algo nos acontece na vida e, imediatamente, olhamos para o céu e gritamos e suplicamos e acusamos:
Onde estás, oh Deus?... Onde estavas Tu, que permitiste que "isto" acontecesse?... Porque não me ajudaste?... Porquê???...

Queres saber onde estou?
Estou aqui.
Tu não me vês, mas Eu estou a envolver-te num abraço total.
Sou a energia que te rodeia e te acompanha para onde quer que tu vás.
Sou a consciência que sentes tua e que se vai abrindo à medida que vais abrindo o teu coração.


Queres saber onde estou?
Digo-te: estou a unir-te às pessoas que passam, às coisas que tocas porque, embora penses que estás separado de tudo o mais que te rodeia, isso não é verdade mas apenas uma ilusão.
Estás ligado e bem ligado a tudo e a todos e esse Todo de que fazes parte não é outra Coisa senão Eu.

Queres saber onde estou?
Estou a dizer-te que estou e sempre estive onde estás e sempre estiveste.

Queres saber onde estou?
Estou na consciência daquilo que tu és e na consciência daquilo que todos os seres são.
Eu estou onde sempre estive, e onde tu sempre e eternamente estarás!

terça-feira, setembro 18, 2007

quem sou



Sou a centelha da vida
sou o murmúrio do mar
sou o mar na tua vida
Tudo o que vês a pulsar

Sou o astuto e o cego
sou cada coisa no mundo
nada que és Eu o nego
nada é negado um segundo

Sou dono dum mundo só
Sou só Eu que Tudo Sou
Ama a vida sem dor nem dó
É Tudo Vida onde estou

Sou a noite e sou o dia
sou um caminho sem fim
segue firme em alegria
estarás sempre ligado a Mim

(Amaral Nascimento)
(imagem: calandra studio)


domingo, setembro 16, 2007

este mar da caparica


É um gosto admirar este mar.
Esta primeira quinzena de Setembro transformou o mar da Caparica numa gigantesca piscina.
A perder de vista, as águas beijam a areia em tons suaves e as ondas quase pararam para se tornarem num manto suave e acolhedor.
Há muito tempo, muitos anos, que não se via este mar cheio de barcos de borracha, pneus e pranchas, de miúdos e graúdos a divertirem-se como se estivessem numa autêntica piscina.
A temperatura da água quase iguala a do Algarve e os amantes da praia regalam-se com este Setembro diferente dos demais.
Até os golfinhos fizeram a sua visita e era vê-los, há dias, a escassos metros da praia, deliciando os veraniantes com os seus mergulhos encantadores.
As noites estão fresquinhas, mas os dias soalheiros continuam amenos, fazendo da praia o local mais aprazível para quem incluíu este Setembro nas suas férias.


sexta-feira, setembro 14, 2007

pai

Tenho que falar contigo, pai, que nos meus sonhos fazes por aparecer em situações estranhas e sombrias, sem que eu possa entender-te.
Por entre o espesso nevoeiro do conhecimento, não falas nem ris e provocas-me um estranho porquê ao acordar.

Queria ver-te mais na cor e na alegria, mais na confiança e na certeza.

Creio que partiste sem fé!
Creio que seguiste na paz da tua bondade, sozinho na mudança que te esperava.


Por isso, te vejo na indefinição da alegria do ser.
Talvez seja meu o defeito. É, decerto! Quando te encontro, confundo a tua paz com o ruído de mim.


Tenho que fazer por merecer um encontro melhor!!!


quarta-feira, setembro 12, 2007

you needed me




video

que noite

Que princípio de noite, que noite assustadora, esta!
Por estas bandas, eram tantos os relâmpagos e trovões que a rede tmn me deixou ainda mais sozinho!
Um simples relâmpago trazia a luz que permitia ver tudo como um dia de Sol.
De madrugada, a chuva caía com força, como se já tivesse saudades dum forte inverno...
Quase de assustar para muita gente, principalmente quando corta comunicações e nos deixa praticamente sós!
Eu, aqui, no meu cantinho, limitei-me a esperar que passasse!
E, pouco depois, cama!
Se este Inverno for muito rigoroso, vou ter tempo para admirar, em mais pormenor, esta conduta da Natureza.
Porque, hoje, o dia nasceu dizendo-nos que vai ser calmo e ameno!

terça-feira, setembro 11, 2007

tiago-herói



Tiago-Herói - a expressão que Deus escolheu para se manifestar no mundo de hoje, para dar a oportunidade a muita gente de recordar e vivenciar um pouco daquilo que é capaz.

O Tiago "da" Fátima Lopes desperta-nos a alma e incentiva-nos a evolução do ser que somos.

O Tiago "da" Fátima não é um acaso televisivo, mas uma manifestação grandiosa e plena do processo divino.

Graças, oh Deus, por nos apertares o peito, por nos fazeres escorrer no rosto lágrimas de amor partilhado, alegrias feitas de corações a saltar, esperanças cheias de confianças inexplicáveis.

Tiago-Herói está no meu, no teu, no nosso caminho.

Olhando o Tiago, vemos o sorriso de Deus a oferecer-nos o esplendor daquilo que todos somos.


domingo, setembro 09, 2007

problemas adiados


Por vezes, há problemas que "varremos para debaixo do tapete", por assim dizer. Sabemos que fazem parte da nossa vida e que algum dia teremos de lidar com eles, mas estamos permanentemente a adiá-los, até que por fim algo acontece que traz um deles à baila.
O Universo marca uma posição muito clara: aqui e agora, vamos ter de lidar com este problema.
Qualquer que seja o aspecto da nossa personalidade que precise de ser sanado, agora chegou o momento de lidar com ele. Pode ser um problema relativo a uma relação, a uma dependência, a uma questão financeira, a algo relacionado com os nossos filhos, enfim, qualquer coisa.
Não é a forma adoptada pela fraqueza que importa abordar: o que é verdadeiramente importante é que, ao não lidarmos com esse problema, estamos a limitar a nossa disponibilidade para participar no plano de Deus.

(Marianne Williamson in O dom da mudança)

quarta-feira, setembro 05, 2007

vou voltar a voar



Ainda agora segurei uma pomba
nas mãos

Segurei-lhe o manto
estendi-lhe o sopro da vida
e viajei-a por lugares de mim

Senti-a maior
no desassombro do que era eu
muito mais
do que imaginara ser

Colou-me num colo
que nunca vira
fez-me a ternura dum carinho
que tinha amor

No vazio do seu calor
deu-me as asas pra voar
e vi-me Deus
que começa onde acaba
o que pensara acabar

No hoje do agora
revi-me de novo
e sei que posso
um dia
voltar a voar


(Amaral Nascimento)

segunda-feira, setembro 03, 2007

saudade



Não vejo a voz da saudade
nem sei o sítio onde mora.
Passou a ronda fugaz,
deixou-me limpo,
em paz,
levando o caos lá pra fora.

Já não tenho
o que não sou!
Um dia
soltei o grito,
abri o peito
e...
voou!



(Amaral Nascimento)

sábado, setembro 01, 2007

ao longo do dia

Aquilo que acontece na nossa vida depende de quem somos na vida.
Todas as experiências por que passamos ao longo do dia são fruto de quem somos ao longo desse dia.
E quem somos ao longo do dia está relacionado com o modo como começamos o dia.

(Marianne Williamson in O dom da mudança)