Lisboa,

sábado, dezembro 31, 2011

adeus 2011

quinta-feira, dezembro 29, 2011

vencendo o medo


Atrás dum sonho acordado
abri os braços e vi
a luz dum anjo dourado
e eu correndo atrás de ti...

Alcancei-te junto ao mar
vi o teu anjo esculpir
uns olhos iguais aos teus
pra neles eu existir...

Se ele abrisse o meu olhar
desvendasse o seu segredo
veria a morte a nascer
e o amor vencendo o medo...

(Amaral Nascimento)

terça-feira, dezembro 27, 2011

leo nasceu



No hospital de Faro, neste dia 27 de Dezembro de 2011, às 7 horas da manhã, nasceu o Leonardo.
Foi um parto normalíssimo, rápido e, sendo o primeiro para os papás, ambos estão felicíssimos e com uma enorme esperança no futuro.
Segundo diz o papá, que assistiu ao parto, dando todo o apoio à mamã e fazendo também uma "forcinha", o Leonardo pesa 3,20 Kg, mede 47 cm, tem cabelo escuro e olhos rasgados.
Para além disso, é o bebé mais bonito do mundo!
Depois do primeiro choro, foi limpo, colocado imediatamente em cima do corpo da mãe e, pouco depois, já mamava pela primeira vez.
benvindo, Leo, a este paraíso, que a Vida criou para, também TU, experienciares este maravilhoso projecto divino!

domingo, dezembro 25, 2011

Deus segundo Spinoza


Baruch de Spinoza nasceu em 1632 em Amesterdão, na Holanda, e faleceu em Fevereiro de 1677, vítima de tuberculose. Foi um dos grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna e um profundo estudioso da Bíblia, do Talmude e de obras de judeus.
Spinoza defendeu que Deus e Natureza eram dois nomes para a mesma realidade, a saber, a única substância em que consiste o universo e do qual todas as entidades menores constituem modalidades ou modificações. Ele afirmou que 'Deus sive Natura' ("Deus ou Natureza" em latim) era um ser de infinitos atributos, entre os quais a extensão (sob o conceito actual de matéria) e o pensamento eram apenas dois conhecidos por nós.

Quando comecei a interessar-me por "estas coisas", Spinoza passou a ser um dos filósofos mais interessantes e o seu pensamento atraíu-me de imediato.
Há dias recebi um email da Jonice Mahana Daher com este texto de Spinoza:

“Pára de ficar rezando e batendo o peito! O que Eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes da tua vida. Eu quero que gozes, cantes, que te divirtas e desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.
Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a Minha casa.
A Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso o Meu amor por ti.
Pára de Me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que a tua sexualidade fosse algo mau.
O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar o teu amor, o teu êxtase, a tua alegria. Assim, não Me culpes por tudo o que te fizeram crer.
Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver Comigo. Se não Me podes ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar dos teus amigos, nos olhos do teu filhinho... não Me encontrarás em nenhum livro!
Confia em Mim e deixa de Me pedir. Tu vais dizer-Me como fazer o Meu trabalho?
Pára de ter tanto medo de Mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem Me irrito, nem te incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor.
Pára de Me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz... Eu enchi-te de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso culpar-te se respondes a algo que Eu pus em ti? Como posso castigar-te por seres como és, se Eu sou quem te fez? Crês que Eu poderia criar um lugar para queimar todos os Meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?
Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti. Respeita o teu próximo e não faças o que não queiras para ti. A única coisa que te peço é que prestes atenção à tua vida, que o teu estado de alerta seja teu guia.
Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas.
Eu fiz-te absolutamente livre. Não há prémios nem castigos. Não há pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registo.
Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.
Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso dar-te um conselho. Vive como se não o houvesse. Como se esta fosse a tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não há nada, terás aproveitado da oportunidade que te dei.
E se houver, tem a certeza que Eu não vou perguntar-te se foste comportado ou não. Eu vou perguntar se tu gostaste, se te divertiste... Do que mais gostaste? O que aprendeste?
Pára de crer em Mim - crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que acredites em Mim. Quero que Me sintas em ti. Quero que Me sintas em ti quando beijas a tua amada, quando agasalhas a tua filhinha, quando acaricias o teu cachorro, quando tomas um banho no mar.
Pára de louvar-Me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja?
Aborrece-Me que Me louvem. Cansa-Me que agradeçam. Tu sentes-te grato? Demonstra-o cuidando de ti, da tua saúde, das tuas relações, do mundo. Sentes-te olhado, surpreendido?... Expressa a tua alegria! Esse é o jeito de Me louvar.

Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre Mim. A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas. Para que precisas de mais milagres? Para quê tantas explicações?

Não Me procures fora! Não Me acharás. Procura-Me dentro... aí é que estou, batendo em ti."

sábado, dezembro 24, 2011

natal




sexta-feira, dezembro 23, 2011

igrejas


Parei. Por um instante pareceu que o sino da igreja iria tocar.
Mas não! Fiquei quieto, absorvendo a quietude da manhã. Os minutos passaram e o silêncio permaneceu e confirmou que o sino, já silencioso há alguns anos, iria continuar sem emitir qualquer ruido.
Lembrei este episódio, antes de cruzar a porta da igreja, na altura das últimas festas da aldeia.
Recordações semelhantes ocorrem-nos de vez em quando.
Hoje em dia, quando entro numa igreja procuro o silêncio e a paz. Fi-lo muitas vezes, durante a hora do almoço, antes de voltar ao trabalho e, preferentemente, escolhia a Igreja de S.Nicolau. Nessa hora, poucas pessoas ali encontrava e o silêncio era quase absoluto. Sentava-me e, sem qualquer pensamento a perturbar-me, deixava-me enlear por uma tranquilidade e bem-estar muito especiais.
Acho que uma igreja, durante qualquer cerimónia (uma missa ou qualquer outra coisa) perde a grandiosidade e a energia espiritual.
Sei que pode ser um absurdo, mas é o que sinto. Por isso, só me faz bem se estiver numa igreja silenciosa.
Não gosto de missas.
Acho que não faz sentido o que se diz e o que se faz, sempre numa repetição constante e previsível. Recordam-se situações históricas e ideias milenares, e pouco se fala da evolução da espiritualidade e da Criação. E depois, para cada religião o seu ritual diferente, crenças diferentes, cada uma considerada como sendo a verdadeira e única para se atingir a "salvação".
Ainda assim, admiro as pessoas que, sinceramente, acreditam no que estão a ver e a ouvir.
Acho que uma igreja deveria ser um local especial para... se conversar com Deus.
Os altos tectos duma igreja ou duma catedral deixa-nos a descoberto o imenso espaço, onde o vazio nos aproxima da espiritualidade, dos intuitos divinos.
O silêncio e o espaço que nos rodeia dentro duma igreja proporciona-nos a sensação de estarmos perto de Deus.
Por isso mesmo, por este facto que parece transcender-me, sinto-me feliz interiormente numa igreja vazia de cerimónias (e de imagens, se fosse possível).


quarta-feira, dezembro 21, 2011

o universo


Quando a noite acontece, sabemos que o Sol se escondeu por detrás do horizonte e a Terra gira sobre si, na sua trajectória solar.
Quando o vento sopra ou quando as marés se repetem ou quando as nuvens escuras desabam em chuva abundante - sabemos que a Natureza apenas se limita a fazer-nos crer que são fenómenos naturais que qualquer ciência pode comprovar.
Conhecendo isto e muito mais, agarrado às certezas que a evolução técnica permite, o homem tenta agora compreender e repetir a "proeza" divina de criar o Universo.
Com as técnicas mais sofisticadas, os cientistas tentam produzir, eles também, o Big Bang e assim mostrarem à opinião pública como foi possível a criação do Cosmos.
Mas antes mesmo de conseguirem tal coisa, uma nova dúvida surge: antes do Big Bang, o espaço e o tempo já existia?...
Então o espaço e o tempo não foram originados pela Grande Explosão?
Antes do Big Bang já existia um Universo e antes deste poderá ter havido outro e mais outro?...


segunda-feira, dezembro 19, 2011

parabéns


Pelas frestas da vida espraiam-se alguns anos de felizes momentos.
Outros tantos e muitos mais aguardam impacientes que a realidade floresça dentro de si.
Não importa lembrar quantos!
O importante é celebrar! O importante é erguermos o pensamento e sentirmos um universo repleto de luz e cor, carregado de oportunidades novas, pleno de cânticos e graças divinas.
A voz da alegria chama por ti!


sábado, dezembro 17, 2011

ao longo dos anos



Creio que a maior parte das pessoas acredita ou sente que está nesta vida com um propósito qualquer, uma determinada finalidade, uma missão que tenha vindo desempenhar...
Por isso, o dia-a-dia é uma descoberta permanente e "aprende-se" qualquer coisa em cada nova situação.
Aprendizagem ou relembrança, escola ou palco - tanto faz, já que a grande maioria dos seres humanos ainda "passa" por esta vida sem a preocupação de a viver conscientemente.
As coisas vão "acontecendo", são vivenciadas, mas "esquece-se" que, por detrás, poderá estar uma razão qualquer, que a nossa mente não apreende. Não apreende ou "prefere" que assim seja, já que o nosso ego mais não faz do que preservar e manter a sua "identidade", adquirida ao longo dos anos, construída e reforçada para se "afirmar" na sociedade e no mundo que o rodeia.

quinta-feira, dezembro 15, 2011

outro dia

Todos gostaríamos de acordar com alegria, bem positivos, cheios de força e boa disposição.
Nem sempre isso acontece e, muitas vezes, nem o sabemos esplicar.
Os sonhos podem estar na origem destes estados de espírito, já que, muitos dos sonhos serão resultados de "viagens" do nosso EU por lugares distantes e belos a que só Ele tem acesso, neste nível de consciência.
Quando abrimos os olhos, despertamos para a nossa realidade e, então sim, agradecemos e damos graças à Vida por mais um dia nesta experiência ímpar e grandiosa.
Por mais que façamos para esquecer alguma tristeza que nos persegue, nem sempre o conseguimos por completo.
Apercebi-me disso quando, pela manhã, ouvi o Paco Bandeira na TV cantar a "5ª.sinfonia" e "A ternura dos 40". Sem querer, deixei que as lágrimas molhassem o rosto e fiquei quieto uns minutos, absorvendo o momento.
Só depois reparei que, pela janela, o Sol iria espraiar-se na sala, indiciando um dia luminoso e divertido.



video

quarta-feira, dezembro 14, 2011

já falaste hoje com Deus?


Parece pretencioso, mas já é corrente dizer-se e ouvir-se dizer que toda a gente fala com Deus...
É!...
Quem não falou já com Ele?...
A nova espiritualidade destes novos tempos ultrapassou os preconceitos religiosos do passado, carregados de regras e imposições e receios das principais igrejas organizadas, e oferece ao ser humano uma oportunidade diferente e entusiasmante de se interligar com as coisas que estarão para além deste mundo físico.
Hoje, sentimos de modo diferente.
Hoje, sentimos que temos uma verdade interior que nos apraz conservar e, de acordo com ela, vivenciarmos o dia-a-dia.
Hoje, sentimos que fazemos parte do mundo que nos envolve. Quer seja o mundo físico, quer seja o mundo espiritual.
O Que Quer Que Seja que criou tudo isto e nos criou como seres humanos parece-nos, agora, muito mais próximo e mais acessível. Deixou de ser o "papão" de barbas que nos espia lá dos céus e passou a ser o Espírito Criador do qual fazemos parte, num Todo eterno e infinito.
Falar com Deus é falar "connosco", é ouvirmos a voz que provém do íntimo de nós e sentirmos que a verdade que nos pacifica e nos traz bem-estar só pode brotar da essência divina.


domingo, dezembro 11, 2011

quando nos sentimos frágeis


No filme "Evan, o Todo Poderoso", há dias exibido na TV, dizia o protagonista, mais ou menos isto: "Se pedires a Deus que te dê coragem, Ele dá-te coragem?... Se Lhe pedires para seres paciente, Ele vai dar-te paciência?..."
A mensagem foi muito clara. Se pedires a Deus para teres coragem ou paciência, Ele dar-te-à as oportunidades para seres corajoso e paciente. O sentimento é a linguagem da alma. Está dentro de ti. Não precisas que ninguém te dê aquilo que tens.
O que te falta é a oportunidade para exprimires esses sentimentos.
Então, quando a vida te parece voltar as costas, quando sentes o mundo afundar, ergues o pensamento a Deus. O que acontece a esse pedido?... Naturalmente, surgir-te-à uma oportunidade. O universo está cheio de situações e uma delas, adequada às tuas necessidades, vai abrir-se à tua consciência, pronta a manifestar-se na realidade que irás vivenciar.
Para Deus, que tem Tudo e Todos dentro de Si, as coisas funcionam com simplicidade. Nós é que, ilusoriamente, pensamos que estamos separados Dele e teimamos em tornar essas coisas distantes e complexas.


sexta-feira, dezembro 09, 2011

a minha almofada



A minha almofada é o meu templo.
É nela que falo "comigo", que falo com o meu Eu interior, que falo com Deus.
É nela que idealizo soluções, que preparo momentos que possam tornar-se reais.
É nela que me vem a "inspiração", que crio os poemas que escrevo, os textos que depois transporto para o papel.
Muito do que parece bom, bonito e positivo fica na minha almofada, "esquecido" ou no fundo do baú do subconsciente.
Mas, como nada será feito ou pensado em vão, porque foi "criado" e gravado algures, um dia "surgirá" com título e conteúdo.
A almofada é templo silencioso.
Para muita gente.

quinta-feira, dezembro 08, 2011

florbela

Florbela Espanca nasceu em 1894, tendo abandonado esta vida, com apenas 36 anos de idade, de 7 para 8 de Dezembro de 1930.




FANATISMO

Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

«Tudo no mundo é frágil, tudo passa...»
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
«Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: Princípio e Fim!...»



VOLÚPIA

No divino impudor da mocidade,
Nesse êxtase pagão que vence a sorte,
Num frémito vibrante de ansiedade,
Dou-te o meu corpo prometido à morte!

A sombra entre a mentira e a verdade...
A nuvem que arrastou o vento norte...
- Meu corpo! Trago nele um vinho forte:
Meus beijos de volúpia e de maldade!

Trago dálias vermelhas no regaço...
São os dedos do sol quando te abraço,
Cravados no teu peito como lanças!

E do meu corpo os leves arabescos
Vão-te envolvendo em círculos dantescos
Felinamente, em voluptuosas danças...


terça-feira, dezembro 06, 2011

acreditar

O acreditar em determinados princípios origina comportamentos especiais nos indivíduos que seguem esses princípios.
Não há dúvidas quanto a isso: a crença gera comportamentos.
Dizer que acreditar "nisto" é melhor do que acreditar "naquilo" é criar juizos, é julgar intimamente sem imparcialidade.
A verdade de cada um é uma verdade pessoal e única. Por vezes ouvimos ou lemos ou deparamos com determinadas coisas e sentimos que elas "encaixam" naturalmente na nossa maneira de estar.
Outras há que nos incomodam ou nos deixam completamente indiferentes, como se nada acontecesse e nada se alterasse na nossa maneira de ser.
Qual é a verdade que está por detrás das religiões que conhecemos? Quantas verdades encerram elas? Qual delas é mais verdadeira?
Eu vou à igreja aos domingos? Não!
Vou fazer tudo para ir a Meca, pelo menos uma vez? Não!
Tenho que confessar os meus pecados? Não!
Eu oro a Deus, ajoelhando ou prostrando-me no chão? Não!
Sou baptizado para poder ir para o Céu? Não!
Creio em Jesus Cristo como única via de alcançar a vida eterna? Não!
Tenho que praticar o jejum para evitar ser punido? Não!
Com todos estes "nãos" sou um herege, talvez um ateu.
Serei um herege, mas não ateu.

domingo, dezembro 04, 2011

castelos de areia


O concreto é o momento...
O momento da confusão, inconstante e fria, fecha os olhos da alma e cria na mente realidades sombrias...
O infinito inatingível é o mais desejado.
O sonho permite o percurso, indica o caminho.
É nele que tomo lugar e crio castelos de areia.
Olho o mar, recordo palavras doces, procuro o sorriso que me fortalece.
Seguro a onda que se aproxima e tento, em vão, que ela não deite por terra aquele castelo que me protege..

quinta-feira, dezembro 01, 2011

vulcão



Quando a luz se apaga no alto da colina
pressinto que a tua voz se cala
e o teu olhar se fecha para as coisas deste mundo...

O azul torna-se sombrio
e o paraíso mergulha no teu silêncio de mulher.
Mais criança, mais anjo dos campos longínquos,
soltas ao vento pétalas de primaveras cantadas,
e és de novo a lava do vulcão divino
que É fonte eterna da Vida...