Lisboa,

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

as crianças indigo


Os mais pequenos, as crianças Índigo, são aqueles que chegam à Terra, com o novo conhecimento multidimensional activado.

Este conhecimento multidimensional ou conexão espiritual, ou elevado nível de consciência, torna-se possível, porque estas crianças trazem já o novo padrão de ADN que os mantém ligados à Fonte Divina, e que anula o carma acumulado de experiências e vidas passadas. Deste modo, estas crianças estão libertas do “peso” energético do carma, que impede muitas vezes que o ser humano consiga libertar-se de medos, traumas, inseguranças ou culpas, que tiveram origem em vidas anteriores.

Os Índigo são, deste modo, extremamente desafiadores, uma vez que, estando desligados dos padrões de medos e inseguranças dos adultos que vêm encontrar, eles agem de forma completamente inovadora e desconhecida, deixando pais, educadores e a comunidade social, em geral, profundamente confusa e desorientada.

No plano maior do desenvolvimento da humanidade, o desafio proposto pelos Índigos é uma forma de os adultos reconhecerem que a mudança é necessária e que os velhos padrões já não fazem sentido.

É necessário encontrar novas formas de relacionamento entre pais e filhos, educadores e educandos, dentro da nova perspectiva de mudança humana e planetária. Na realidade, todos nós estamos a sentir, de forma mais ou menos óbvia, que transformações estão a ocorrer dentro de cada um de nós, o que frequentemente gera mal estar e confusão. E neste processo, o desafio que os Índigos provocam na família, na escola e na sociedade, torna-se muitas vezes difícil de gerir.

Em primeiro lugar, é fundamental mostrar e praticar o amor e a compreensão com estas crianças.
É preciso reconhecer que, embora eles sejam portadores de um novo conhecimento multidimensional, eles não sabem ainda como o praticar aqui. Eles necessitam de orientação, de método, de acompanhamento. E isto só poderá ser dado pelos adultos. Quando se sentem apoiados, os Índigos são uma fonte de conhecimento e sabedoria para todos nós, e essa partilha transporta-nos a todos para uma realidade espiritual tão enriquecedora do ponto de vista humano, que ninguém que já tenha experimentado deseja retroceder.

Por isso, é fundamental que os adultos aprendam a reconhecer os potenciais deste conhecimento e sabedoria que os filhos transportam.


(Maria Júlia Nunes)

17 Comentários:

At fevereiro 11, 2008 10:50 da manhã, Blogger Paula Raposo diz...

Este é um assunto que conheço pouco. Beijos.

 
At fevereiro 11, 2008 11:57 da manhã, Blogger Menina do Rio diz...

Tens razão. Uma nova geração de crianças e os pais não sabem como lidar com isso. É preciso estar aberto, centrado.

Um beijo

 
At fevereiro 11, 2008 12:30 da tarde, Blogger As Sombras de Fim do Dia diz...

Desconheçia a existência de crianças indigo... Mas é sem dúvida uma questão que se coloca em reelação à geração futura.

 
At fevereiro 11, 2008 2:06 da tarde, Blogger Laura diz...

Olá, uma amiga minha tem um sobrinho assim..são sobredotados, e este menino fala da vida espiritual e não tem pais que liguem ou acreditem muito nisso..é muito adiantado na escola e a própria professora não ajuda pois ele está à frente de tudo, aprende depressa e depois tem de esperar que os colegas cheguem lá..enerva-se e fica a suspirar, é bondoso, e tem todas as caracteristicas deles, magro, feições tipicas que eu conheço muito bem, cabeça mais afunilada, ma sé lindo querido e um amor. andam à procura d eum colégio para ele, mas é dificil...Não há formação especial para eles, e claro que são mais espirituais inteligentes e tudo o mais. Já li muito sobre isso e as gerações dos anos 70 para 80 ja traziam muitas crianças indigo. E eu própria reparo nos comportamentos de muitos e os pais nem se apercebem dos filhos que têm em casa com essas características...
Bela postagem ´o Amaral, ainda há dias falei com a tia deste nino de que falo, e ele é um poço de amor e saber espiritual...so tem uns 8 anos...
Beijinho.

 
At fevereiro 11, 2008 2:36 da tarde, Blogger Carla diz...

já li sobre estas crianças e acho interessante haver alguém com uma força espiritual tão profunda

 
At fevereiro 11, 2008 4:19 da tarde, Blogger Siala ap Maeve diz...

Este é um tema que me fascina meu amigo! Tenho lido muito sobre estas crianças, e tenho tido a felicidade de lidar com algumas. É fantástico tudo o que elas têm para nos ensinar mas para isso é preciso estar-se aberto, receptivo, e já termos também quebrado muitos dos condicionalismos que a sociedade em que crescemos nos impôs. Estamos rodeados de limitações ao que não é possível limitar :) desde que nascemos, a palavras que ouvimos mais vezes é "Não" , não pdoes, não faças, não vás, etc, e "é impossível"...
E então conforme vamos crescendo, o nosso terceiro olho vai-se fechando e toda uma dimensão que é nossa por direito vela-se perante os nossos olhos cegos.
Estas crianças são realmente diferentes. Tal como as crianças crital :) o abandono da velha ordem é inevitavel, vivemos momentos de transição memoráveis...
Bjos meus

 
At fevereiro 11, 2008 8:41 da tarde, Anonymous Anónimo diz...

Olá, por demais oportuna a tua postagem. É surpreendente conhecer uma criança superdotada, desafiadora, mesmo na mais tenra idade. Urge uma maior atenção, um acompanhamento especial para o seu desenvolvimento. Conheci um garotinho com três anos e já lia, tocava piano e violão sem que jamais tivesse tido uma professora. Filho de pais completamente despreparados e atônitos com este desempenho do filho. É assustador e ao mesmo tempo maravilhoso. Muito bom o teu espaço. Beijos
Anne
http://www.anne_voce.blogger.com.br

 
At fevereiro 11, 2008 11:46 da tarde, Blogger Paula Calixto diz...

Muito interessante!!!

É filosofia Zen? Conheço pouco, mas do pouco me encanto!

Mas... Bem que poderia ser uma outra definição para crianças especiais super-dotadas, não?

Gostei, como sempre!

Beijos, lindeza.

P.S.: Amaral, lindo... O blogeu oficial é o outro, que está neste link aqui: http://asinnerandasaint.blogspot.com/
Caso clique no meu nome, vai dar acesso a 2 blogues, mas o que está em atividade é o primeiro, com o nome em minúsculo - "maçã do topo". Não vou fechá-lo e abri o outro para fazer testes e não perder a configuração original do oficial, ok?(;

Beijos mais.

 
At fevereiro 11, 2008 11:57 da tarde, Blogger Kalinka diz...

No Dia Mundial do Doente, a minha mensagem é:
Neste dia de afectos, não esquecer que a nossa saúde mental e física beneficia também da atenção e carinho que dedicarmos aos nossos mais próximos e semelhantes.

Um abraço.

 
At fevereiro 12, 2008 9:36 da manhã, Blogger Cymbron diz...

Não conhecia este assunto.
Apenas deixa que te diga que as crianças são cada vez mais esquecidas pelos adultos e tornam-se crescidas mais cedo, sendo que serão os adultos menos crescidos de amanhã.

Jinhos

 
At fevereiro 12, 2008 3:20 da tarde, Blogger Divinius diz...

Gostei de ler:)
A LUZ QUE TE DEIXO É DA COR DA MINHA VIDA:)

 
At fevereiro 12, 2008 5:06 da tarde, Anonymous Anónimo diz...

um tema cada vez mais actual pelo qual não me interesso como devia, mas que através deste post comecei a gostar mais. obrigada, amaral. um beijo.

 
At fevereiro 12, 2008 9:20 da tarde, Blogger Cláudia diz...

Venho deixar-te um beijinho doce, e aproveitar para te dar os parabéns pelo novo look do teu blog.
Está lindo! Adoro as cores que escolheste.Transmitem paixão, sol, calor e alegria.Exactamente como o teu olhar!Quanto ao tema que escolheste, acho muito importante que as pessoas percebam que estamos a caminhar para um mundo novo.Estas crianças são tudo o que nós somos, com uma pequena grande diferença.Elas "sabem" usar o poder, que nós sempre tivemos, mas nunca acreditámos.Precisamos mudar todo o sistems de crenças para podermos evoluir, e elas vieram ajudar-nos nesse processo.Bem-haja amaral!

 
At fevereiro 12, 2008 10:27 da tarde, Blogger Eli diz...

:)

Sorrisos para ti e para a sensibilidade e cultura que depositas neste eu espaço especial!

Gostei muito do que li, mas não estou devidamente informada. Talvez agora vá ler mais, uma vez que lido com crianças todos os dias!

:)

 
At fevereiro 12, 2008 11:52 da tarde, Blogger FERNANDA & SONETOS diz...

Olá querido amigo Amaral,um texto belíssimo, com muita imformação necessária para preparar os Pais sobre tais situações.
Não tenho filhos, mas adorei este texto.
Parabéns!
Beijinhos de carinho e amizade.
Fernandinha

 
At fevereiro 13, 2008 1:46 da manhã, Blogger Ana diz...

Como sempre,venho aprender contigo.
Gostava de saber mais sobre estas novas crianças de que já ouvi falar e sobre o relacionammento com elas.
Deixo-te um abraço, Amaral.

 
At fevereiro 14, 2008 11:30 da manhã, Anonymous Anónimo diz...

Olá!

Eu tenho um filho indigo.
Tem uma história de vida incrivel obrigando-me a crescer e a aprender com ele. Começou a andar e a falar muito cedo. Aos 9 meses já andava, com 11 meses falava e cantava e antes dos 24 sabia contar, conhecia as cores e aprendeu sozinho a falar inglês. . Queria saber tudo e rápidamente. Extremamente meigo e doce, fácilmente todos o adoravam. Eu juro que fiquei assustada, pedi ajuda e sube que era bobredotado. Mais tarde disseram-me que era índigo. Li e pesquesei tudo o tinha ao meu alcance, queria entende-lo e ajuda-lo. Foi uma fase dificil porque muitas vezes era tido como mal educado,porque questionava os educadores sem medo e ficava tristissimo com as injustiças. Muito inteligente e com um tipo de raciocinio bem diferente do comum, nem sempre é compreendido, embora esteja numa escola onde as crianças são respeitadas e vistas como individuos únicos. Contudo é dificil entenderem-no. Posso dizer que é uma honra ser sua mãe. Mas que por vezes é dificil tentar acalma-lo e ter que lhe explicar que os outros não pensam como ele e que ele tem que ser tolerante. Na verdade quando fica triste por algo que não correu bem, tem total consciência e um raciocinio tão lógico e puro que não há como não lhe dar razão. Mas como lhe vou dizer que ele tem total razão e que os colegas e professores erraram? É muito díficil, quando ele chora e reclama porque o mundo está cheio de ódio e que não quer um mundo assim, quando me diz que veio para o mudar, é como se uma parte de mim morresse, a vontade que tenho é abraça-lo e fugir com ele. É um doce, amigo e defensor dos mais fracos ou mais novos, mas muito pouco compreendido. Tenho um filho especial, maravilhoso, cheio de talentos para a música, para a pintura, muito criativo e muito inteligente. Mas nada compreendido e ele também não consegue entender tantas coisas que eu só entendo porque sei que não as consigo mudar.

Agora que termina o primeiro ciclo, ando aflita à procura de uma escola em que uma criança possa ser vista como ser único, mas é dificil.

Contudo eu e ele estamos juntos e eu quero aprender tudo o que me poder ensinar.Claro que termino em lágrimas...

Obg. Amaral
Bjo

 

Enviar um comentário

<< Home