Lisboa,

quarta-feira, julho 15, 2009

dói


Dói o soluço que sinto
num trilho que vou esquecer
dói a força que já fraqueja
a luz que faz que já não veja
a menina sempre mulher

No silêncio que vou bebendo
no sonho louco e encantado
dói o amor que fui perdendo
a solidão que ainda vou lendo
num verso que me foi dado

Foi a esperança que se quebrou
as palavras que não vieram
foi a vontade que perdi
no poema que não li
e as frias marés trouxeram

Um dia estarei sereno
quando o soluço findar
não digo adeus à ternura
nem esquecerei a doçura
que é teu sorriso beijar

(Amaral Nascimento)

6 Comentários:

At julho 15, 2009 8:00 da manhã, Anonymous Ana Paula diz...

Olá lindo Amaral...
Poema lindo, sentido e apaixonado, tal como um sentimento tem que ser!
Escreves com facilidade o que bate nesse teu peito enorme...Lindo!
Beijinho com carinho amigo!

 
At julho 15, 2009 3:50 da tarde, Blogger Secreta diz...

Um dia a dor dá tréguas! ACredito.

 
At julho 15, 2009 4:09 da tarde, Blogger Paula Raposo diz...

Muito bonito, Amaral!! Beijos.

 
At julho 16, 2009 10:54 da manhã, Blogger Cláudia diz...

A tua dor trespassou-me através das palavras.Que doa tudo para passar depressa.Abraço-te...

 
At julho 16, 2009 10:46 da tarde, Blogger Jonice diz...

Um suspiro, Amaral... um suspiro...
Ah essa dor, como a conhece esse coração que trago aqui dentro!
Beijo

 
At julho 18, 2009 3:43 da tarde, Blogger ana margarida diz...

ai q saudds deste pianinho a tocar...e das tua palavras...embora tristes, belas...um bj

 

Enviar um comentário

<< Home