Lisboa,

quinta-feira, agosto 20, 2009

o teu sonho

Segreda-me o teu sonho,
diz-me da luz
e do cálice
que bebeu a canção
que os teus lábios
murmuraram...

Quando o murmúrio
fizer soar
nas suas trombetas
a fúria do vento
e do inimaginável,
os lugares dos outros mundos
ofuscarão os mares
e as montanhas,
e serão planícies
de sentimentos novos
que alguma pena
jamais pronunciou...

E quando Deus se fizer Deus
e outra coisa
já não exista,
nem aquilo que nos rodeia,
o que é Tudo
permanece Tudo,
terno, belo e grandioso,
bem dentro dum grão de areia.

(Amaral Nascimento)



5 Comentários:

At agosto 20, 2009 2:47 da manhã, Blogger Eli diz...

O teu blog é dos poucos que se mantém. Obrigada. Lembro-me bem de vir cá há uns anos e chorar com esta música...

:)

Parabéns pela imensidão.

 
At agosto 20, 2009 7:58 da manhã, Blogger Paula Raposo diz...

Acho muito terno o teu poema. O teu sonho. Muitos beijos, Amaral.

 
At agosto 20, 2009 6:11 da tarde, Blogger Papoila diz...

Sempre cheio de sentido estas tuas palavras.
Um beijo feito "planicie de sentimentos novos".
BF

 
At agosto 20, 2009 8:58 da tarde, Anonymous Ana Paula diz...

Enorme....
Lindo e saciante!
Beijinho Amaral

 
At agosto 21, 2009 1:28 da tarde, Blogger Melita diz...

O sonho comanda a vida :)

Bjo

 

Enviar um comentário

<< Home