Lisboa,

segunda-feira, novembro 01, 2010

o porão da tua alma


Quanto tempo
o tempo tem
dentro do meu universo?
Tem o sopro duma chama
tem o delírio de um som
tudo o que ainda me ama
nas linhas deste meu verso.

Quanto tempo
o tempo tem
no porão da tua alma?
Tem um sussurro que treme
tem um momento que agita
a tal guitarra que geme
nesta noite fria e calma.

Quanto tempo
o tempo tem
no gostar desse teu gosto?
Tem o calor dum abraço
tem o doce dum encontro
mil beijos no teu regaço
nos teus olhos e no teu rosto.

(Amaral Nascimento)

1 Comentários:

At novembro 02, 2010 9:38 da tarde, Blogger Ana Paula diz...

Olá doce Amaral.
Mais um momento de ternura, tão lindo.
O tempo encolhe-se para deixar que os tempos se cruzem.
Por momentos, sente-se o carinho de ambos, embora sem que um ou outro o saiba.....é isso?
Muito bom ler-te. Sempre.
Beijos

 

Enviar um comentário

<< Home