Lisboa,

quinta-feira, novembro 04, 2010

partilha cega



Como vou eu
sondar a estrela,
como vou esconder o sol,
como vou abrir os olhos
pra me ver no olhar dela?

Como vou eu
sonhar o sonho,
como vou vencer o frio,
como vou despir o céu
pra ver o teu ar risonho?

Como vou acreditar
se o momento se esvazia,
como vou reaprender
se a razão é gritaria?
Como vou trazer de volta
a chama que vem de ti,
este amor de rédea solta
partilha cega que ri?


(Amaral Nascimento)

1 Comentários:

At novembro 06, 2010 2:57 da tarde, Blogger Ana Paula diz...

Olá Amaral, boa tarde.
Existem partilhas que nada nem ninguém, conseguem definir, somente sentir.
Existem sentidos que nos confundem mas, se os transportarmos para o coração...de alguma forma farão sentido, ainda que não sejam nossos.
Rs...isso, são partilhas cegas.
Beijão, e bom fim de semana.

 

Enviar um comentário

<< Home