Lisboa,

sábado, maio 14, 2011

solidão



É verdade que há muita solidão encapotada.
E há gente que vive como quer, com quem quer, uns mais assim, outros menos. Há de tudo à nossa volta.
A solidão é um pau de dois bicos. Nalguns intantes, dói que se farta! Noutros, parece que a liberdade do ser desponta dum sítio escondido... e desata a fazer as mais diversas propostas...
Sós nunca estamos! Convivemos com o pensamento, com momentos que se foram embora, com sentimentos que se reconfortam, com a imaginação, com as pequenas novidades que os nossos sentidos descobrem magicamente...
Então... nuns dias tudo é novidade... noutros, o peso da novidade não pesa coisa nenhuma.
Desistir é que não!... Baixar os braços é um convite à tristeza!
O oceano é enorme e cabem todas as embarcações lá dentro. Cada ponto invisível, por sobre as ondas, pode ser um farol para todas elas. Mesmo que a solidão seja uma solidão de tudo.
Ainda que o céu, encoberto e sombrio, teime em ocultar o sol que está a pôr-se, todos sabemos que amanhã ele vai nascer de novo...


2 Comentários:

At maio 14, 2011 1:55 da manhã, Blogger A P diz...

Doce Amaral, não posso concordar mais contigo...
"Desistir é que não!..."
Beijinhos

 
At maio 14, 2011 9:59 da tarde, Blogger MM - Lisboa diz...

Eu poderia ter escrito este post!
bjs

 

Enviar um comentário

<< Home